E agora, Avaí? Como não pensar na Série A?

Os números não mentem: o Avaí é o líder do returno, na frente até do favorito ao título, e nosso freguês, Vasco da Gama. Nesta fase da competição, chegamos à incríveis 79,6% de aproveitamento. Se compararmos com o primeiro turno, foram somados 23 pontos em 19 partidas. Já no returno, o Avaí possui 19 pontos em apenas oito jogos! Desde que o técnico Claudinei Oliveira assumiu o comando azurra, não sabe o que é derrota.

E somado à tudo isso, a minha descrença no time e na diretoria, fruto de anos de má gestão e de decepções à maior torcida de Santa Catarina, só poderia começar a dar uma guinada após uma eventual vitória contra o Joinville em plena arena da prefeitura, lembra? E sim, a vitória veio e com ela, os dois pés no G4.

Agora, nos próximos 4 jogos que temos pela frente, 3 são em casa. A empolgação, ainda contida há alguma rodadas, toma conta da nação avaiana. Mais do que nunca, é a hora da verdade: um resultado diferente de vitória contra o Paysandu, vai frustrar principalmente aquele torcedor que estava há meses afastado da Ressacada e que iria prestigiar o seu time em boa fase - fato raro nos últimos anos. O fantasma de 2013 não pode se repetir!

As perspectivas são as melhores possíveis - fato inimaginável se olharmos para a turno. E se continuarmos nessa mesma pegada, o sonho do torcedor avaiano vai ser tão grande quanto uma segunda estrela no peito. É cedo demais para pensar no impossível? Depende apenas daqueles 11 em campo...

Via ESPNFC

Link do Post

Me engana que eu gosto, Avaí

Foto: Jamira Furlani / Avaí FC
Desde que o Avaí mudou o comando técnico e incorporou Marquinhos e Betão ao time, os resultados começaram a aparecer na Ressacada.

Com a vitória por 2x0 contra o Bragantino, o Avaí chega ao sexto jogo de invencibilidade. No returno, são 16 pontos conquistados em 21 disputados, ou seja, 76% de aproveitamento. Porém se considerarmos estes últimos 6 jogos de invencibilidade, a estatística fica mais incrível ainda: sonoros 89% de aproveitamento!

Como diz o amigo Adriano Assis, conhecido na Ressacada por ter sua voz ouvida dentro de campo mesmo com estádio cheio: "Me engana que eu gosto, Avaí!"

E essa afirmação se faz mais verdadeira do que nunca na vitória deste final de semana: se pegarmos a nossa história recente, sempre que o Avaí vem de uma sequência boa, que a torcida acredita e se cria uma expectativa por um jogo na Ressacada, a decepção é grande. Vide as derrotas pra Chapecoense e Figueirense em 2013, ambas com estádio completamente lotado e torcida confiante.

O jogo em si não foi dos mais bonitos: um típico jogo de Série B, com dois times medianos, porém com a eficiência - e sorte - do lado do Avaí.

O goleiro Renan mais uma vez foi o melhor em campo, garantindo a vitória do Avaí. Já Marquinhos, que estava apagado e mesmo que visivelmente andando em campo, foi decisivo e fez o que um camisa 10 precisa fazer: servir de bandeja pro pessoal da frente fazer gol (e ele fez isso nos dois gols da vitória azurra). Mas o seu brilho foi ofuscado no final do jogo: falou demais na saída de campo, expondo um possível atraso nos pagamentos do elenco e dando um prato cheio para a imprensa da capital catarinense. Roupa suja se lava em casa, Marquinhos!

De qualquer forma, continuo fazendo as contas dos 45 pontos para não cair, afinal, como dizem os antigos, cachorro mordido por cobra tem medo até de linguiça. Mas uma coisa é fato: se vencermos o JEC fora de casa - jogo que independente da situação dos clubes, é sempre difícil quando realizado na Arena da Prefeitura de Joinville - não tenho outra opção senão começar a acreditar no acesso.

Via ESPNFC

Link do Post

Faltam 12 pontos para a Série B 2017

Foto: Jamira Furlani / Avai FC
A saída de Silas do comando técnico azurra, o retorno de Marquinhos Santos com a camisa 10 e a vinda de Betão (aquele mesmo, ex-Corinthians e que fui contra à sua vinda) como xerife da zaga avaiana, fez não só o Avaí voltar a respirar, mas se reerguer das cinzas e se afastar de vez da zona do rebaixamento.
Em campo, é nítida a volta da confiança do time (estamos invictos há 4 jogos, com 3 vitórias e 1 empate) e da torcida, que aos poucos, está voltando ao estádio Aderbal Ramos da Silva: contra o Criciúma na última rodada, foram mais de 6 mil avaianos apoiando o time.
Neste jogo, aliás, foi um passeio como não se via há um bom tempo: sem exageros, o Avaí poderia ter ganho com mais de 6 gols de vantagem. É claro, que o time do sul do estado também contribuiu: está passando por um momento de crise e começa a preocupar o torcedor carvoeiro.
Mas como todo o bom torcedor avaiano que se preze, não nos animemos: nosso time continua sendo aquele mesmo plantel barato, com qualidade questionável e que a grande meta é não cair para Série B. Exemplos negativos, como o de 2013 por exemplo, temos vários.
A meta é atingir os mágicos 45 pontos e depois disso, o que vier é lucro!
Via ESPNFC

Link do Post

Um ano sem bigode

Há um ano o meu grande amigo Anderson Farias Climaco, o bigode, nos deixava.
Embora fisicamente ausente, as histórias protagonizadas por ele são lembranças constantes naquela cervejinha gelada com os amigos na Barraca do Alemão antes dos jogos na Ressacada, nos bate-papos nos grupos das redes sociais ou quando as vezes me flagro sorrindo sozinho, recordando das histórias de procedência duvidosa onde ele era sempre o protagonista. "Pô bigode, para de mentir cara!" eu dizia pra ele, enquanto ele começava a rir.
A alegria do Anderson sem dúvidas é o seu grande e principal legado. Sempre de bem com a vida para os amigos, mesmo que às vezes, internamente ele não estivesse assim tão feliz. Era como se no subconsciente, ele se preocupasse mais com o bem estar dos outros do que com ele mesmo.
Valeu bigode! Tua marca é eterna! Jamais serás esquecido, meu amigo!

Link do Post

Tchau Gonçalves. Olá amadorismo

Gonçalves não deixará tantas saudades. Mas a preocupação está com o perfil do seu substituto.
Alceu Atherino / AVAÍ F.C.
Esta semana, Gonçalves, diretor de esportes do Avaí, pediu sua saída da Ressacada. Desde 1999, quando pendurou as chuteiras, o ex-zagueiro da seleção brasileira e do Botafogo veio se aperfeiçoando: além de formado em educação física, chegou a fazer cursos na base do Barcelona.
Embora com pouco resultado prático dentro de campo, foi um dos responsáveis pela implantação do Núcleo de Inteligência do Futebol (NIF) no clube e tinha como visão principal a transformação de todo o departamento de futebol do clube da capital de Santa Catarina. Coisa de médio à longo prazo.
Mas por incrível que pareça, o principal problema não foi a saída de Gonçalves, mas sim a substuição da sua cadeira por Joceli dos Santos. Este, é indiscutivelmente avaiano de coração, um cara trabalhador e esforçado. Perfil bem vindo dentro da Ressacada, mas à frente da base avaiana, sua especialidade ou em postos mais operacionais. Já para o cargo de diretor de esportes, precisamos de profissionais com conhecimento técnico e gestão, que conheça as tendências, com vivência em cases de sucesso dos grandes do futebol mundial e não alguém acostumado (com o devido respeito), à estrutura de Guarani da Palhoça, Brusque ou Imbituba.
Priorizar paixão à razão em postos estratégicos, faz o Avaí regredir pelo menos 20 anos, lá na época de Flávio Félix, onde para criar um time competitivo, bastava paixão, garra, um minimercado como patrocínio master e o caderninho de contatos de João Carlos Dias.
Hoje os tempos são outros, o futebol evoluiu, os padrões são muito mais altos, mas o Avaí se esforça em ficar pra trás.
Via ESPNFC

Link do Post

Vasco, o freguês do Avaí

O Vasco nunca venceu o Avaí na Sèrie B. Foto: Jamira Furlani / Avaí FC
Era uma bela tarde de sábado na Ressacada. Em campo, Avaí e Vasco da Gama se enfrentavam mais uma vez. O favorito, sem dúvidas o time carioca: era o líder do campeonato contra um time ainda muito confuso e com qualidade questionável.
Após um primeiro tempo equilibrado, o Avaí entrou melhor no segundo e só não chegou ao 3 à 0 devido à competência do goleiro vascaíno, após bela defesa em pênalti cobrado por William. Após isso, pressão do time visitante e o gol de honra: 2x1 para o time da capital catarinense foi um placar justo.
Esta vitória aliás, consolidou a freguesia do Vasco da Gama para o Avaí nos campeonatos brasileiros da segunda divisão: são 3 vitórias azurras contra nenhuma do time cruz maltino.
Em 2009, o Avaí estava na Série A e o Vasco estava na Série B. Já em 2014, foram dois jogos entre as duas equipes: o inesquecível 5x0 em pleno São Januário e a vitória simples na Ressacada que premiou o Leão da Ilha com o acesso à Série A do ano seguinte. E neste final de semana, mais uma vitória azurra.
De qualquer forma, vale ressaltar que o futebol apresentado pelo Avaí não foi lá grandes coisas: o destaque foi Judson, que conseguiu anular o craque Nenê, principal jogador vascaíno. Fora isso, nosso futebol foi razoável o suficiente para não cair para Série C, ainda nosso principal objetivo este ano. Que continue assim.
Via ESPNFC

Link do Post

Há 9 anos, o Figueirense dava alegrias para o Avaí

Roger, o herói. Foto Gazeta Press / ESPN.com.br
Era uma quarta-feira, mais precisamente no dia 6 de junho de 2007. As vantagens históricas que o torcedor avaiano estava acostumado a utilizar nas eternas discussões com os rivais tricolores do Estreito estavam se esvaindo: já não tínhamos um maior número de vitórias nos clássicos, o rival estava completando seis anos consecutivos na Série A enquanto lutávamos para permanecer na Série B e até o orgulho de ser o mais vezes campeão do Campeonato Catarinense, o Figueirense havia nos superado no ano anterior. Para o torcedor avaiano, só restava um argumento, o último fio de orgulho para se sobressair ao co-irmão: o título nacional conquistado em 1998, quando vencemos o Campeonato Brasileiro da Série C.
E naquela noite de 2007, em um estádio Orlando Scarpelli abarrotado, o Figueirense enfrentava o Fluminense pela final da Copa do Brasil, com a vantagem do empate. Em caso de êxito, o time do Estreito poderia enterrar de vez a última chama de orgulho azurra em Florianópolis. E pelo futebol apresentado na competição até aquele momento, não havia uma viva alma no mundo capaz de apostar suas fichas no Fluminense. O time de Florianópolis era o grande favorito.
Confiança do time da casa antes do jogo. Foto: Site oficial do Fluminense
A cada fase da competição que o nosso arqui-rival avançava, era uma noite de insônia. A cada êxito deles, o título se tornava cada vez mais real. E naquela quarta-feira de 2007, meu nervosismo não poderia mais ser disfarçado: para me distrair, convidei minha namorada (hoje, minha esposa) para ir à um restaurante. Lá, um dos garçons, amigo nosso e avaiano roxo, me falou: "Fica tranquilo! Eles vão entregar hoje!". E eu falei: "Tomara, meu amigo!". Tão logo o jogo começou, paguei a conta e fui embora. Assim que virei a primeira esquina, escutei uma narração de gol! Levantei a cabeça e percebi que em uma casa, havia um telão sendo projetado em uma parede onde ocorria um churrasco com torcedores tricolores do Estreito. E no telão, um cara com a camisa do Fluminense comemorava seu gol. Era Roger, a lenda.
Após aquele momento, com o rádio do carro desligado e o coração na boca, andei em círculos pela cidade de Florianópolis por uma hora, para matar tempo. Cada estouro que escutava nos céus, me gelava a espinha. Ao chegar em casa, meu pai falou: "Fábio, acabou o jogo! 1x0!". Sem acreditar, perguntei novamente o placar, perguntei se esse "um" era do Fluminense mesmo e pedi para confirmar de uma vez por todas se desta forma o Figueirense não era o campeão e sim o time carioca. A resposta foi "Sim!".
Outdoor da Mancha Azul em homenagem ao campeão
Naquela noite, dormi por volta das 5 horas da madrugada, tamanha a adrenalina. Sentimento parecido com esse, só tive após o acesso à Série A em 2008 contra o Brasiliense, após a virada por 3x2 contra o Santos de Neymar que nos garantiu na Série A de 2010 e quando vencemos o Catarinense 2012 em pleno Scarpelli.
Sim amigos. Por isso que digo e repito: clássico em Santa Catarina, só tem um.
Via ESPNFC

Link do Post

Vozão cai de quatro e Batoré entra pra história do Avaí

William marca três e vira um dos maiores artilheiros da história do Avaí.
Foto: Jamira Furlani / Avai FC
Era a quarta rodada da Série B 2016. Na Ressacada, o Avaí enfrentava o Ceará que tinha os mesmos 4 pontos do time da casa. O resultado final? Nem o torcedor avaiano mais otimista (raridade nos últimos anos) poderia imaginar uma goleada: 4x2 para o Leão da Ilha e a terceira posição na tabela de classificação.
Mas se engana quem pensa que o Avaí deu show: jogamos apenas os minutos finais do primeiro tempo (onde o Avaí fez 3 gols) e os minutos iniciais do segundo tempo (onde o Avaí fez seu quarto gol). Fora isso, fomos o mesmo time limitado e com futebol suficiente apenas para se manter na Série B, como já visto nas rodadas anteriores. A goleada não pode mascarar as limitações do Avaí. É preciso reforçar o elenco.
De positivo? O Avaí mantém o importante 100% de aproveitamento nos jogos em seus domínios, marca esta que foi um dos principais cartões de visita do técnico Silas em sua primeira passagem na Ressacada, quando na Série B de 2008, ano do nosso primeiro acesso, não perdemos um jogo sequer na nossa casa.
Além disso, com os três gols marcados pelo atacante William, ele atinge a importante marca de 61 gols com a camisa do leão e torna-se o décimo maior artilheiro ao longo dos quase 93 anos de história do maior de Santa Catarina. Já dentro da Ressacada, William alcança a marca de 32 gols, sendo assim o sexto maior artilheiro em nossos domínios.
Mas nem dá tempo de comemorar: na terça-feira já temos um confronto regional (e não um clássico) fora de casa contra o Cricíma. Não preciso dizer que se buscarmos um empate, será um excelente resultado. Vai pra cima deles, Batoré!
Via ESPNFC

Link do Post

Pior que tava, não fica

Via Getty Images
Avaí e Sampaio Corrêa foi aquele jogo de dois times com pouquíssima qualidade. Sim, houve evolução no Avaí, principalmente no que diz respeito à organização do time: vi menos chutões na saída de bola e menos passes errados.
Mas há de se lembrar que nosso parâmetro era o time de juniores que quase foi rebaixado no Campeonato Catarinense deste ano. "Pior que tá não fica", como diria o ilustre deputado Tiririca.
No primeiro tempo, destaque para a bela jogada de Jajá, que tocou pra Tauã e este cruzou para William, que apesar de visivelmente estar fora de forma, se adiantou do zagueiro e finalizou de primeira.
No Sampaio, apenas o famoso Pimentinha - que o Avaí já tentou trazer no passado, mas sem sucesso - fazia alguma fumaça na zaga do Avaí. E mesmo assim quase tomamos o gol de empate.
Mas no finalzinho, um golaço que há tempos não se via na Ressacada: Tatá, de longe, viu o goleiro adiantado e finalizou de cobertura. Uma pintura que deu os números finais à partida.
Nosso time está se estruturando, ainda encontrado a sua cara. A vitória de 2x0 contra o fraco e seríssimo candidato à rebaixamento Sampaio Corrêa não deve mascarar nossas inúmeras deficiências. Ainda acho que lutaremos para não cair para Série C. Um eventual acesso, só se for em casos extraordinários e inexperados, como em 2014. E que venha a Luverdense.
Via ESPNFC

Link do Post

Aguardemos sentados pelo choque de gestão

Foto: Jamira Furlani
Ao longo dos meus 31 anos como torcedor avaiano, o time atual é o mais limitado que já presenciei.
No Catarinense deste ano, fez um excelente primeiro turno chegando na segunda colocação, mas foi uma mera ilusão: o time, composto essencialmente de juniores recém promovidos, vencia seus adversários, ainda vindos da pré temporada, na parte física.
Quando virou a chave para o segundo turno e os demais times ganharam ritmo de jogo, evidenciou-se um time junior contra times profissionais. Resultado? Apenas uma vitória e 8 derrotas na segunda fase da competição.
O clube que me enchia de orgulho por ser o mais vezes campeão de Santa Catarina por tantas décadas e ser o primeiro campeão brasileiro do estado, disputava o rebaixamento pelo terceiro ano consecutivo.
A renúncia do presidente Nilton, anunciada com exclusividade aqui na ESPNFC, poderia ser um prenúncio de novos tempos no sul da ilha. O vice Battistotti, que bateu o pé e resolveu assumir a presidência, falou em "choque de gestão", mas até agora, nada de concreto o torcedor pôde acompanhar. Nem o patrocínio master, que não vemos no Avaí há mais de 2 anos, pintou na Ressacada.
E no meio disso tudo, nosso conselho deliberativo que poderia dar um soco na mesa e direcionar o executivo do Avaí para mudanças drásticas, aprovou as contas deficitárias de 2015, "com ressalvas".
Baseado neste nosso passado recente, não há como o torcedor, por mais fanático que seja, pensar em um futuro promissor: se não cairmos para Série C neste brasileiro, estaremos no lucro.
Via ESPNFC

Link do Post

Vagando pelo limbo...


Depois de um campeonato estadual cheio de desilusões, falsas esperanças, lambanças e concluído com um jogo que ninguém deu a menor importância (à exemplo de nosso diretor de esportes, Gonçalves, que nem subiu a serra), chegamos a um limbo onde não se sabe que rumo tomará nosso amado clube.
Estamos nos "preparando" para uma Série B de incertezas e medos, a opinião é unânime nas rodas de Avaianos e muitos dão como muito alto o risco de queda para a terceira divisão do campeonato nacional.
Hoje teremos mais uma assembleia de nosso conselho (???) e não se sabe ao certo os rumos que tomam essas reuniões de gente de havaianas e gelada na mão.
Vem faltando profissionalismo, os blogs estão cansados de bater na mesma tecla, faz tempo que não escrevemos por um bom motivo e se menciona até que não se tem registro de épocas de vacas tão magras por um período tão longo. Um tio meu, ainda ontem, comentou comigo que desde a época que frequentava o Adolfo Konder não via um momento tão complicado como o atual.  "Ah Thiago, mas nem faz tanto tempo que não ganhamos um título, já ficamos mais tempo do que isso..."
Não falo nem de títulos meus amigos, falo de fase ruim mesmo, de fase sem perspectivas de melhoras. Como diz nosso amigo Fábio Makowieski: "A merda garrô!"
O Avaí é maior que toda esta crise e vai superá-la. Não tenho dúvidas! O que mata o torcedor é a incerteza do "quando".
Que nossa Senhora da Ressacada esteja conosco e ilumine a cabeça de nossos conselheiros nesta noite!

Link do Post

Revisem os processos!



Há muito que o torcedor Avaiano não vem se preocupando apenas com o que rola dentro das 4 linhas. Não que não deva, pois o fato é inegavelmente desolador. 
O que vem ocorrendo nos bastidores da Ressacada e nos deixando mais preocupados do que com o campo, é algo sujo, feio, e digno de ser um case estudado de como não se administrar uma empresa. 
Futebol é produto complicado, envolve paixão, emoção, loucura, mas é antes de mais nada um negócio, e como todo negócio envolve gestão as coisas no Avaí Futebol Clube vão de mal a pior.
Temos hoje no maior do estado uma situação periclitante, uma verdadeira escada repleta de degraus mal construídos. A presidência não está gerindo da forma mais adequada e não larga o osso, a administração não se entende, quem deveria gerenciar não vem mostrando destreza para isso, o atendimento ao cliente e sócio vem mostrando estar pouco se lixando (vide o blog do nosso amigo André Tarnowsky). Temos a incerteza de salário pingando na conta, a imprensa batendo no time de Florianópolis e protegendo o time de São José, associados que estão cancelando suas carteirinhas.... Enfim, é um pandemônio!
Nós torcedores, frequentadores do mais belo estádio de SC, ficamos cansados de apenas visitar aquele monumento e não ver um bom futebol, que sem sombra de dúvidas é reflexo de uma retaguarda mal administrada. Não temos perspectivas de mudanças, não temos mais o NOSSO AVAÍ.
Já passou da hora de parar com essas assembleias ridículas com participante de chinelo tomando gelada, já passou da hora de ver famílias lucrando com o coração do sócio torcedor vendendo pastel velho, já está mais do que na hora do Avaí ser gerido por profissionais capacitados.
O Avaí precisa de uma revisão do seu macro processo, precisa de um especialista que destrinche toda a podridão que anda pelos corredores do Aderbal Ramos da Silva, precisamos analisar friamente setor à setor, desde a forma como se atende nas catracas até a forma de se delegar funções.
Queremos mudanças já!
O clássico vem aí e não temos motivos para estarmos tranquilos...

Link do Post

Nilton vai sair. Só resta saber quando

Divulgação: Avaí FC
Era sexta-feira, horário de almoço. Em um tradicional restaurante de Florianópolis, um grupo de ilustres avaianos se reunia com a atual diretoria azurra, procurando soluções para a fase terrível do time da capital de Santa Catarina.
Eles nem imaginavam que dois dias depois o time perderia para o Brusque, chegando à sua sexta derrota consecutiva na competição, mas já exigiam mudanças drásticas na direção do clube. Era o "soco na mesa" que estava faltando.
A tropa de elite, formada por Tullo Cavallazzi, Eduardo Gomes, Waltinho Koerich, o próprio presidente Nilton Macedo Machado e outros notáveis avaianos que dispensam apresentações, traçavam a solução para a saída da lama.
No plano, exige-se o afastamento do atual presidente e vice-presidente do Leão da Ilha. Nilton Macedo, aliás, sabe que a melhor decisão é o seu afastamento ou renúncia: é o melhor pro clube, onde sua situação é insustentável, para sua empresa e também para sua família, que já pede publicamente o sua licença há algum tempo.
Mas quem assumiria? Já há um nome que vem sendo guardado à sete chaves para disputar nova eleição visando um "mandato tampão". O perfil lembra muito ao do ex-presidente Zunino: avaiano acima de qualquer suspeita, empresário bem sucedido e bem relacionado com outros grandes empresários. Seria a solução para sanear o clube à curtíssimo prazo, arrumar a casa e corrigir o curso de decisões equivocadas da atual gestão.
O positivo, é que toda esta movimentação dos bastidores não está sendo tramada pelas costas da atual diretoria: Nilton e Battistotti estão sendo envolvidos nas discussões e nas decisões. A sensação que este grupo de avaianos passa, é que ao invés de apontar erros, estão dedicando tempo e esforço para encontrar as soluções.
Esperamos que estas sejam as melhores decisões para que o Avaí Futebol Clube volte a ser aquele glorioso esquadrão que o torcedor se acostumou a ver e não este clube que vem ano após ano enfrentando seríssimos problemas dentro e fora de campo. O torcedor avaiano está cansado de lutar pelo rebaixamento. Já passou da hora de voltarmos a brigar pelas conquistas que fazem parte da nossa rica história quase centenária.
Via ESPNFC

Link do Post

Reencontro, erros de arbitragem e mais uma vitória

Amigos em peso no "esquenta" antes do clássico
Foto: Rodrigo Buch
Ontem foi dia de voltar à nossa casa. Foi o primeiro jogo do Avaí na Ressacada após a troca completa do gramado iniciada ainda ano passado. Foi dia de tomar aquela cuba no capricho do Sansão, comer o espetinho do Alemão e rever a galera. 
Mesmo com os graves erros de arbitragem do Sr. Ronan Marques da Rosa, que não marcou três pênaltis claros para o Avaí, sem contar com outro discutível (agarrão em William), o Avaí venceu o jogo com um gol do matador William.
William aliás tem um retrospecto de respeito em clássicos: em 5 jogos disputados, marcou 5 vezes. E além disso, nunca perdeu: são 3 vitórias e 2 empates.
O time jovem do Avaí, composto essencialmente de jogadores advindos da base e que jogaram a Copa São Paulo de Futebol Júnior este ano, está superando as expectativas do torcedor azurra: apresentou um futebol consistente, de aplicação tática e com certa qualidade. Ainda não é o nosso time para a Série B, mas já esteve mais longe do ideal. Estamos evoluindo jogo após jogo!
Com o triunfo de ontem, desempatamos em vitórias em clássicos disputados na Ressacada: agora são 14 do Avaí contra 13 do Figueirense. E se considerarmos os últimos 28 clássicos disputados, chegamos à 13 vitórias contra 5 do rival.
É amigos, não está sendo fácil ser torcedor do tricolor do Estreito nos últimos anos! Só dá Leão!
Via ESPNFC

Link do Post

O que esperar do único clássico de SC?

O matador Willian quer deixar mais uma marca no clássico. Foto: Getty Images
Que Santa Catarina possui apenas um jogo digno de ser chamado de clássico, nós já sabemos.
Na próxima quinta-feira, Avaí e Figueirense se enfrentam pela primeira vez em 2016, desta vez pelo Campeonato Catarinense.
No Avaí, um time jovem que vem dando conta do recado
Com a falta de dinheiro em caixa proporcionada pelo rebaixamento à Série B e pelas mancadas administrativas da diretoria avaiana, o Leão da Ilha apostou em um time composto principalmente por jovens jogadores da base avaiana e o resultado está surpreendendo o torcedor azurra. O time é marcado principalmente pela velocidade e pelo vigor físico. Ainda deve muito tecnicamente, é verdade, mas a quarta colocação na tabela não veio por acaso.
O melhor gramado de Santa Catarina está de volta
É um jogo festivo para a torcida avaiana, afinal, é a reabertura da Ressacada após a troca do gramado que iniciou ainda no ano passado. São 89 dias longe da maior torcida de Santa Catarina.É pra matar a saudade da nossa segunda casa!
Batoré joga
O experiente goleador Willian, a referência no ataque avaiano e esperança maior da torcida azurra para o clássico, foi julgado ontem pelo TJD por um expulsão injusta contra o Camboriú, mas foi absolvido por unanimidade. Sinceramente? Em um caso desses, o TJD não deveria recomendar no mínimo uma geladeira pro árbitro trapalhão? Que Willian tenha uma noite iluminada na Ressacada!
Figueirense aos frangalhos, mas nem tanto
O time do Estreito vem em uma crise tremenda. O time vem caindo de produção, está à dois pontos do último colocado, não vence há cinco rodadas e teve seu técnico rebaixado à interino recentemente. E pra piorar, o seu melhor jogador, Clayton, foi negociado com o Atlético-MG. A luz no fim do túnel para o tricolor de Floripa é a estreia do bom técnico Vinicius Eutrópio e a "lógica" do clássico de SC, onde geralmente, o time que amargura uma crise, acaba derrotando o adversário. Bate na madeira!
Briga de foice no escuro
Será um dos clássicos mais fracos tecnicamente dos últimos anos. Será mais do que nunca, decidido na força, na raça e no detalhe. Quem errar menos, vencerá. E espero que este seja o Leão da Ilha!
Via ESPNFC

Link do Post

Avaí: a casa da mãe Joana

Foto: Polidoro Junior
Desde 2012, quando os jogadores invadiram a coletiva do então presidente João Nilson Zunino que anunciava Marcelinho Paulista como novo dirigente do clube, o Avaí não consegue ficar mais de um trimestre sem um vexame, uma bomba, um episódio lamentável. Passamos por inúmeros atrasos de salários, rachas no elenco, jogador irregular que ocasionou em perda de pontos, dentre outros fatos dignos de um time de várzea.

O presidente Nilton Macedo, dentre outras ações deste o início de seu mandato, veio renegociando as dívidas proporcionadas pelas ações trabalhistas, principais agentes do aumento exponencial da dívida do Avaí na última década durante a gestão de João Nilson Zunino.

Mas o que aconteceu em 2015? Os salários de todos os funcionários do clube, incluindo os jogadores, atrasaram, refletindo no desempenho dentro de campo (e foi sim, fator determinante para o rebaixamento para Série B deste ano) e o pior: gerando novos processos trabalhistas, como por exemplo de Eltinho e Roberto, contra o Avaí Futebol Clube.

Isso sem contar com os péssimos resultados dentro de campo (com exceção de um acesso aos 45 minutos do segundo tempo na Série B de 2014) e com a inabilidade de conseguir patrocínios para ajudar a sanar os problemas financeiros do Avaí.

Esta semana, em entrevista coletiva convocada pelo próprio presidente, havia a expectativa de esclarecimentos ao torcedor azurra. Mas o que aconteceu? Mais um episódio desta sequência de trapalhadas da atual gestão do clube: além de nada de novo por parte do presidente, foi permitido que uma das organizadas do Avaí entrasse na coletiva de imprensa, colocasse uma faixa na mesa da coletiva pedindo a cabeça do mandante do clube e bananas sobre a faixa. Tudo isso, ao lado das marcas de nossos patrocinadores. Não contente, os jogadores apresentados após o vexame (Célio Santos e Rafinha) usaram bonés das organizadas, quando poderiam utilizar bonés do fornecedor de material esportivo do Leão, por exemplo.

Na boa: se já estamos há dois anos sem um patrocínio master (e isso por total incompetência da atual gestão), qual marca gostaria de vincular seu nome à esta verdadeira bagunça que hoje é o Avaí Futebol Clube?

Acho legítimo o papel das organizadas em protestar contra essa administração fraca de nosso clube. Se não há pulso firme dentro da Ressacada, que venha dos torcedores de forma organizada. Mas não acho que o espaço para isso seja dentro de uma coletiva de imprensa. O protesto deve ser feito nas arquibancadas, no entorno da Ressacada e em reuniões convocadas para este fim.

Hoje o Avaí está sem norte, sem rumo e sem perspectivas de futuro. A desordem está dentro e fora dos tijolos da Ressacada. Se não houve uma mudança geral no comando do clube, nosso futuro promete ser muito sombrio. A Série C está logo ali...

Via ESPNFC

Link do Post

Gonçalves é capaz de tirar o Avaí da lama?

Foto: Alceu Atherino / Avaí FC
Na penúltima rodada da Série A 2015, chegamos a ficar 1 ponto fora da zona de rebaixamento, porém dependiámos de uma vitória contra o campeão Corinthians, em uma Arena lotada.
Marcamos nosso gol. Faltando 15 minutos para o campeonato terminar, o Avaí ainda estava na Série A. Mas veio Vagner Love, empatou a partida e a Série B caiu no nosso colo.
Mas não foi neste jogo que o Avaí caiu. Não vencemos os jogos que deveríamos ter vencido em casa, como Vasco e Coritiba, por exemplo. Isso tudo, aliado à uma sucessão de erros da diretoria foi crucial para a queda de rendimento do time: se repetiu o mesmo erro dos anos anteriores, culminando no atraso de salários aos jogadores.
O Avaí, historicamente vive o mal de todos os times médios, como os de Santa Catarina: com pouca verba se comparado aos grandes do Clube dos 13, permanecer na Série A é digno de se comemorar como um título e brigar para estar entre os quatro melhores na Série B é nossa Libertadores. É o eterno sobe e desce entre as divisões nacionais.
O rebaixamento do Avaí foi dolorido, mas foi extremamente merecido. Como ação imediata, a diretoria demitiu todo o departamento de futebol e pretende começar o trabalho do zero. Desde o começo de dezembro com dificuldades de um nome para  comandar o futebol azurra, eis que o Avaí anuncia a vinda do ex-jogador Golçalves. Desde 1999 quando pendurou as chuteiras, o ex-zagueiro da seleção brasileira e do Botafogo vem se aperfeiçoando: além de formado em educação física, chegou a fazer cursos na base do Barcelona.
É a solução para os problemas do Avaí em 2016? A resposta para essa pergunta, fica à cargo do principal culpado pelo rebaixamento: o presidente Nilton Macedo Machado.
Via ESPNFC

Link do Post

Torcer ou acreditar?

Vitória contra a Ponte Preta mantém o Avaí vivo até o final
Foto: Jamira Furlani / Avaí FC
No final do ano passado, escrevi aqui um post com o mesmo princípio deste. Naquela ocasião, o Avaí precisava de uma combinação improvável - mas não impossível - de resultados para se classificar para Série A deste ano. Eu não acreditava, mas torcia.
Neste ano, a situação é bem parecida: o Avaí precisa vencer o Corinthians em plena casa do adversário se quiser garantir a permanência na Série A. Caso não vença, começa a torcida por resultados improváveis, como por exemplo uma derrota do Figueirense contra um provável time reserva do Fluminense.
Ano passado, além de vencer o Vasco na Ressacada, o Avaí precisava torcer por tropeços do Boa e do Atlético-GO. No final de tudo, o improvável aconteceu e naquela ocasião, escrevi um post entitulado nunca duvide do Avaí, comemorando mais um acesso, dentro de campo.
A verdade é que ano após ano, a diretoria avaiana vem repetindo os mesmos erros. Algumas das 5 razões que eu defendi que assegurariam o Avaí na Série A de 2016 foram por água abaixo:
Nosso bom técnico Gilson Kleina perdeu a mão do grupo e a diretoria demorou muito para substituí-lo.
Outro fator foi a falta de habilidade da diretoria em fechar patrocínios, o que contribuiu mais uma vez para o atraso dos salários dos jogadores e que sem dúvida refletiu no baixo rendimento do time na reta final da competição.
Estamos vivos?
Matematicamente, sim. O nosso Avaí é o clube que "faz coisa", que renasce quando menos se espera. Mas Nossa Senhora da Ressacada já está bastante cansada de operar tantos milagres. Vamos torcer até o fim e esperar que semana que vem, eu possa escrever mais um post dizendo que nunca devemos duvidar do Avaí. Que assim seja. Amém.
Via ESPNFC

Link do Post

O futebol do Avaí fora das 4 linhas - Parte II

Após minha postagem ontem relatando os problemas na administração do Avaí com relação ao atendimento dado aos torcedores/sócios/clientes, compartilhei a informação na página dos torcedores no Facebook. Para minha surpresa, uma figura importantíssima em nossa história relatou ali, ter passado pelo mesmo problema que nós passamos na Ressacada. 
A figura no momento, o Sr. Décio Girardi. O ex-presidente do Avaí Futebol Clube (1986-87) deixou as palavras que reproduzo na íntegra, logo abaixo, com uma pequena interação que tivemos naquela página:

"Décio Girardi: Isso tem que mudar ,sim. Olha o que aconteceu comigo no dia da feijoada do Avaí. Já fui presidente do clube, e do Conselho, sou sócio benemérito, e pasmem fui barrado porque queria mostrar o campo de jogo, da rampa, para meu netinho de 4 anos. Quase morri de vergonha. Na loja do clube fui comprar camisetas etc. A dona da loja perguntou se eu era sócio, disse que fui presidente e era sócio benemérito, e novamente, pasmem meu nome não constava da lista. Aí não dá.
Thiago Roberto da Costa: O senhor só pode estar brincando... A este ponto eu não imaginava que os péssimos serviços prestados poderiam chegar... Falta total de respeito!!!
DG: Posso imaginar o que acontece com os sócios, pois isso aconteceu comigo, na frente de varias pessoas da minha família, mesmo tendo me identificado. Quando disse que quase mori de vergonha, isso também é verdade.
TRC: Sr. Decio. escrevo para o blog Devirada. Posso postar o comentário do senhor no blog com a finalidade de dar maior repercussão ao descaso do nosso time?
Forte abraço!
DG: É verdade, não tenho porque esconder.
TRC: Ok! Obrigado!"

Um pouco sobre os feitos do Sr. Décio Girardi no Avaí Futebol Clube:
Em sua gestão, o Avaí conquistou a iluminação da Ressacada, o asfaltamento das vias de acesso e estacionamento, a reformulação dos departamentos médico e de musculação e o reconhecimento da importância da história do clube, com a criação da Sala de Troféus “Cel. Osni Meira”, da Sala da Diretoria “Amadeu Horn”, além da organização da galeria de fotos dos ex-presidentes. (fonte: http://www.memoriaavaiana.com.br/decio-girardi/)

Após esse pequeno bate papo cheguei a conclusão de que, de fato, o Avaí não está preocupado prestar um bom atendimento à comunidade avaiana. Se um ex-presidente, que fez diversas ações para a melhoria do clube e que prezou pelo reconhecimento da história e dos ex-presidentes do clube foi tratado desta forma, o que nós simples sócios podemos aguardar do Avaí?
O Avaí precisa passar por uma reformulação administrativa já! É inconcebível que um clube de série A que tem tanta história e a maior torcida do estado, passe pela situação que passamos.
A campanha das camisas para as cidades do estado foi uma boa jogada, a recepção dos haitianos no estádio também foi excelente, porém não podemos apenas fazer coisas "pra inglês ver". Quem dá vida ao Avaí é a torcida, seu principal cliente, e motivo da existência do clube.

RESPEITO É O MÍNIMO QUE EXIGIMOS!


Link do Post

O futebol do Avaí fora das 4 linhas



A situação do nosso time é periclitante no campeonato. Estamos há 7 rodadas sem uma vitória, e, para nossa sorte, o pessoal do Z4 não está afim de sair de lá. Com a mesma sorte que subimos no ano passado, estamos fora do grupo da morte neste ano. Pena que não por muito tempo! Não dá mais pra contar com o acaso...
Mas minha postagem hoje, vai sair um pouco de tudo que se lê sobre o Avaí e seus insucessos nas últimas rodadas.
No último final de semana estive em Curitiba para acompanhar cap x AVAÍ na Arena da Baixada. No ano passado estive neste estádio num jogo da Copa, e minha visão foi bem contrária a desta visita.
Fiquei simplesmente perplexo com a forma com que o clube utiliza todos os meios que tem para exaltar o time!
Fora a estrutura física do estádio, a diretoria do CAP e seu super atuante departamento de marketing, dão um show à parte. Eles tem diversas promoções e formas de interação com o torcedor.
Na entrada do time, toca o hit "Rock you like a hurricane", em alusão ao apelido do time. Neste momento o telão acompanha o refrão com a letra, enquanto o escudo do CAP aparece de diversas formas. 
No intervalo, tem promoção do primeiro sócio a entrar em campo, "câmera da dança" e "câmera do beijo". Durante o jogo, muitos torcedores utilizam seus smartphones para filmar lances, gols, enfim, momentos do jogo, e utilizam uma hashtag para que estes videos sejam selecionados e transmitidos no intervalo. Ao final do jogo, a torcida visitante é liberada antes, porque logicamente está em menor número, mas a torcida local não reclama, obviamente porque deve rolar algum tipo de interação ou promoção para eles. 
O sistema de som traz atualizações sobre substituições, sendo que, quando no time da casa, utiliza-se fotos dos jogadores e mostra ao mesmo tempo no telão a informação. Traz também, o placar de jogos de interesse próprio, tanto no som quanto no telão. 
O atendimento ao cliente, pelo menos, visto do lado visitante, é impecável! 
Desde a bilheteria, aos bares, banheiros, até instruções de uso do local e informação para saída mais segura.
Nos bares, o atendimento é top! Tem a opção de utilização de cartão de débito, e mais opções de lanches do que o nosso pastel velho...  Convenhamos, os bares da Ressacada, só são bons para que explora o serviço!

O que me alenta, é o fato de ter plena certeza que nossa estrutura é a melhor do estado. Temos o estádio mais bonito e moderno, temos serviços que não são oferecidos em outros locais e por aí a fora.
O que pega, é a má utilização da estrutura.
O que pega, é a falta de uma gestão decente!
O que pega, é que o Avaí não está nem aí para o cliente. E essa minha reclamação não é de hoje, só que quanto mais o tempo passa, e quanto mais informação é levantada, mais podre eu vejo que é o atendimento dado pelo Avaí aos seus torcedores. 
Hoje só o que mantem o Avaiano é a paixão! O torcedor do Avaí é mal atendido, mal recepcionado, mal tratado e, se tenta reclamar de algo, é escorraçado ou sequer tem seus pedidos ouvidos.
O Avaí tem que dar graças a Deus que o futebol é essa paixão louca, e que torcedor é bicho irracional. É incrível ver que temos uma estrutura top, que temos equipamento, que temos uma área invejável e isso não é bem explorado.

Hoje a vida do torcedor do Avaí (sócio) pode ser listada da seguinte forma:
1 - Paga caro pra associar;
2 - É mal atendido pra solucionar problemas de qualquer ordem;
3 - Só após sofrer muito é que tem suas solicitações atendidas (geralmente com uma gambiarra);
4 - Sofre com fila em dias e jogo;
5 - Geralmente (90% das vezes), tem problemas para acessar o estádio;
6 - É mal atendido para adentrar ao estádio e resolver os problemas que ocorrem;
7 - Tem um serviço de bares RIDÍCULO;
8 - A equipe de segurança dentro do estádio é totalmente incapaz de dar um bom atendimento;
9 - A equipe de segurança não é nem capaz de desobstruir as escadas (muita gente fica ali, sendo que tem cadeiras disponíveis);
10 - Não se tem um acompanhamento para barrar os fumantes no estádio (os avisos estão por toda a parte, porém não há ninguém que os faça serem cumpridos);
11 - O sistema de interação com o público, parece ser operado por uma criança da 4ª série em dia de gincana;
12 - As promoções de sócio são para sócios adimplentes (Beleza! Ponto para o Avaí!), porém o sistema que gere as informações de sócios é altamente falho (quem me garante que eu participo das promoções? Estou adimplente, pago com débito em fatura de energia, porém o sistema da ressacada mostra o contrário, inclusive com situação diferente para minhas duas carteirinhas pagas da mesma forma);
13 - Se o torcedor tem problemas com produtos, o time dá de ombros (sou um caso como exemplo disso);
14 - Na hora de ir embora, mais fila, e não se cria nada para entreter o público (salvo o caso dos foodtrucks que rolou uma ou duas vezes neste ano);
15 - Pra fechar com chave de ouro, NEM O TIME VEM AJUDANDO!
Dói ser avaiano e ver a infinidade de opções que temos para criar uma ótima atmosfera para o cliente, e NENHUMA DELAS ser explorada de forma correta. 

Enquanto isso... SALVE A ISO9001(?????????)

Link do Post